O Vídeo exibido acima apresenta o exame físico de cabeça e pescoço. Este é realizado utilizando as etapas básicas da avaliação de um paciente: a inspeção, palpação percussão e ausculta. O examinador inicia avaliando a cabeça, do topo para a base.  Uma atenta avaliação da cabeça e face, seus contornos e texturas, pode muitas vezes sugerir doenças sistêmicas.  A seguir apresentaremos uma descrição breve do que foi avaliado em cada segmento, pois o vídeo aborda de forma exímia e detalhada como deve ser realizada essa parte do exame físico.

Cabeça

  1. Crânio: tamanho, contorno geral. Avaliar abaulamentos, retrações, deformidades e hipersensibilidade;
  2. Couro Cabeludo: descamações, protuberâncias, nervos e outras lesões;
  3. Cabelo: quantidade, distribuição, textura, calvície, canice;
  4. Linfonodos occipitais e cervicais superficiais (occipitais, auriculares posteriores, cervicais posteriores, pré-auriculares, submandibulares e submentonianos). Avaliar tamanho, formato, delimitação, mobilidade e consistência.

    Pescoço

      1. Traquéia: avaliar posição (normal na linha média), mobilidade, espaço entre traquéia e esternocleidomastóideo bilateralmente (simetria);
      2. Tireóide: Abordagem anterior: avaliar o istmo e, depois, os lobos direito e esquerdo. Registra-se o tamanho, formato e consistência da glândula, identificando se apresenta nódulos ou hipersensibilidade. Abordagem posterior: o examinador realiza a palpação enquanto o paciente engole a saliva por duas vezes;
      3. Linfonodos supraclaviculares (paciente deve realizar inspirações profundas para facilitar a identificação dos gânglios dessa região).

        O examinador retorna ao segmento cefálico para avaliar:

        1. Boca: avaliar orofaringe e língua (posição, coloração e textura). Para facilitar a visualização, utilizar lanterna. Avaliar coloração, nodulações e ulcerações da mucosa oral, palato mole, pilares amigdalianos anteriores e posteriores, úvula, tonsilas e faringe posterior. Avaliar também gengivas (coloração, lesões) e dentes (número, presença de próteses, estado de conservação). Palpar as bordas da língua para identificar massas e outras alterações sugestivas de lesões carcinomatosas. Também deve-se usar a manobra bidigital, para palpar assoalho da boca, tal como é demonstrado no vídeo;
        2. Ouvido: inspecionar e palpar o pavilhão auricular, pesquisando deformidades, nódulos e lesões cutâneas. Avaliar acuidade auditiva, a condução aérea (CA) e óssea (CO), utilizando diapasão. Geralmente a CA é maior que a CO. Procurar diferenciar perdas auditivas por problemas de condução (a CO é maior ou igual a CA) de perdas neurossensoriais (CA maior que CO). Seguir realizando a otoscopia a fim de visualizar o canal auditivo, a membrana timpânica (coloração, posição, contorno, integridade) e ossículos, além de identificar secreções, edema, vermelhidão, abaulamentos, retrações, nível hidroaéreo, e outras alterações;
        3. Seios Paranasais: avaliar a hipersensibilidade dos seios frontais, maxilares e etmoidais;
        4. Nariz: avaliar as superfícies anterior e inferior, identificando assimetrias ou deformidades nasais. Inspecionar a parte interna do nariz, visualizando os ossos turbinados inferior e médio, mucosa e o septo nasal. Identificar desvios, inflamação, perfuração, assimetrias e demais anormalidades, tais como úlceras ou pólipos;
        5. Olhos: iniciar avaliando a acuidade visual (cartão de Snellen). Avaliação ocular externa: posição e alinhamento dos olhos, conjuntiva, esclerótica, córnea, cristalino, íris, pupilas, pálpebras (largura, posição, coloração, adequado fechamento, condição e direção dos cílios e lesões). Avaliar aparelho lacrimal. Prosseguir realizando uma avaliação do campo visual por confrontação. Com o auxilio de uma lanterna, visualizar a córnea e simetria pupilar, além de testar o reflexo fotomotor direto (reação pupilar a luz) e o consensual. Seguir avaliando a integridade funcional da musculatura extrínseca dos olhos (músculo reto superior, inferior e medial e lateral, e oblíquo superior e inferior), responsável pela movimentação conjugada dos olhos. Teste também a convergência ocular. Uma das partes mais importantes do exame ocular é a realização da oftalmoscopia, que permite examinar o fundo de olho.

        Autor:

        annie caroline Exame Físico da Cabeça e Pescoço

         

        Annie Caroline Magalhães Santos: Co-CEO (Chief Executive Officer) e coordenadora científica do MedLearn. Graduanda em medicina pela Faculdade de Medicina da UFMT, atualmente no 7° período. Email: [email protected]

         

         

          Referências Bibliográficas:

          Vídeo: Mark H. Swartz – Head and Neck examination. Disponível em youtube.com

          Bickley, Lynn S. Bates Propedêutica Médica. 10 ed. Editora Guanabara Koogan, 2010.

          Swartz, Mark H. Textbook of Physical Diagnosis: History and Examination. 6 ed. Editora Saunders Elsevier, 2010.

           

          Leia também: